Criar um Site Grátis Fantástico
A HISTORIA DA CAPOEIRA DE SÃO GONÇALO
A HISTORIA DA CAPOEIRA DE SÃO GONÇALO

                 Capoeira de São Gonçalo exporta talentos

                    Mestres passam ensinamentos de geração em geração

Ao som de berimbaus, atabaques e pandeiros a capoeira atrai cada vez mais crianças e adultos e se difunde em São Gonçalo. Em cada canto da cidade você encontra uma roda de capoeira. E a que se deve este fenômeno? 

Deve-se, quase que exclusivamente, à atuação dos velhos Mestres de capoeira, que, com o seu carisma, com seu respeito e com sua moral, têm passado de geração em geração os seus ensinamentos, servindo, assim, de espelho para todos.

A capoeira da cidade de São Gonçalo é, seguramente, uma das mais fortes em atuação no Estado do Rio de Janeiro. Os Mestres da cidade têm atuado nas mais diversas frentes, seja dando aulas, organizando a capoeira através de federações e ligas ou mesmo “exportando” profissionais para outros países.

Mas como foi o surgimento de tudo isto? Itamar da Conceição Magalhães, conhecido nas rodas de capoeira como Mestre Chita, um dos pioneiros a desenvolver o trabalho com a Capoeira na cidade de São Gonçalo, conta que por volta dos seus 12 anos de idade conheceu um capoeirista de nome Baleardo, em 1957, que exercia na cidade a função de guardador de carros e que tinha ao seu lado um instrumento até então estranho para ele e que depois ficou sabendo tratar-se de um berimbau. Foi com este senhor que Mestre Chita começou a dar seus primeiros passos na roda de capoeira. 

A partir do conhecimento adquirido, Mestre Chita começou a compartilhar com seus amigos o que tinha aprendido com Baleardo, a quem ele chamava de Mestre. Passando a ensinar capoeira, seus primeiros alunos foram Paulo Farinha, Biquinho, Pedro Paulo (seu irmão), Cabide, entre outros, quase todos já falecidos. Posteriormente Mestre Chita foi convidado para desfilar na Escola de Samba Acadêmicos da Carioca representando a capoeira. Foi a partir deste momento que ele conseguiu o seu primeiro espaço para dar aulas, dedicando-se por completo a esta arte. Por este motivo ele começou a ensinar tanto para os moradores de São Gonçalo quanto para os da cidade de Niterói. 

Após a realização deste trabalho, a partir de 1966 a Capoeira de São Gonçalo recebeu o apoio de alguns outros capoeiristas, estes ligados à Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e mestres na arte de gingar. Entre estes podemos citar: Victor Widavisk Travassos (Mestre Travassos); Manoel dos Santos Francisco (Mestre Manoel Gato Preto – já falecido); Alípio, Zacarias, Valdir Vasconcelos, entre outros. 

Foi através da inserção destes mestres na história da capoeira gonçalense que Mestre Chita recebeu, em 1969, das mãos de Mestre Travassos, o título de Mestre de Capoeira. “Quando comecei eu não tinha ideia da dimensão que a capoeira iria tomar em São Gonçalo”, diz Mestre Chita. Uma de suas ações na busca de organizar o próprio trabalho foi fundar nos anos 70 a Associação de Capoeira Filhos de Omulu. Depois de alguns anos, ele mudou o nome da Associação para Associação Cultural de Capoeira Ginga de Corpo, com sede no Bairro do Jardim Catarina, em São Gonçalo.

Além do Mestre Chita, podemos citar a importância de outros Mestres para o desenvolvimento da Capoeira em São Gonçalo. São eles: Travassos, Gigante e Manoel Gato Preto (In memoriam), Bode, Machado, Bocka, Sabiá, Antonio Affonso, Zumbi, Quito, Cesar, Carlinhos, Malandrinho, Jacaré, Capa, entre outros.

A capoeira em São Gonçalo

Para entendermos a história da Capoeira na cidade, contaremos, ainda, a história dos Mestres que ajudaram e ajudam em sua preservação.
Mestre Travassos: Baiano e Policial Militar, fundou na cidade a Associação Pequenos Mestres de Capoeira, formando uma geração de mestres que têm desenvolvido seu trabalho não só no município de São Gonçalo, mas também em cidades como Itaboraí e Cachoeiras de Macacu. Em São Gonçalo ele formou os Mestres Jacaré, Tão, Santana, Ricardo Feijão, entre outros. Hoje na cidade a Associação Pequenos Mestres desenvolve seu trabalho no bairro do Rocha, tendo como mestres responsáveis Santana e Ricardo Feijão.

Mestre Manoel Gato Preto: Já falecido, Mestre Manoel Gato Preto fundou na cidade a Associação de Capoeira Moçambique. Uma de suas grandes características era pela preservação da hierarquia na Capoeira. Outra coisa que ele não permitia era a utilização de qualquer outra roupa que não fosse o uniforme “padrão” da Capoeira. Talvez ele fizesse esta exigência por ser Policial Militar e estar acostumado com a disciplina dos quartéis. Com sua transferência para a cidade de Três Rios, no período em que estava na ativa, a Associação de Capoeira Moçambique mudou sua sede para aquela cidade, onde está até hoje. Na cidade, o único Mestre formado por ele foi o Mestre Gigante. Mestre Manoel Gato Preto sempre manteve seu vínculo com São Gonçalo, cidade onde morou e aonde veio a falecer. Em 2005, em homenagem ao trabalho realizado por ele, a Prefeitura de São Gonçalo criou, por solicitação da Liga Gonçalense de Capoeira, o Dia Municipal da Capoeira, comemorado no dia 05 de maio, dia de seu nascimento.

Mestre Gigante: Após a transferência do Mestre Manoel Gato Preto para Três Rios, Mestre Gigante, que também era Policial Militar, fundou em março de 1976 a Associação de Capoeira Negrinhos de Sinhá. O trabalho de Mestre Gigante também se espalhou por diversas cidades do estado, tendo representação em muitos municípios. Em São Gonçalo o primeiro aluno de Mestre Gigante foi o Mestre Antonio Affonso, que hoje, através da Associação de Capoeira Negrinhos de Sinhá VII, desenvolve seu trabalho em espaços como o Clube Tamoio e o Colégio São Gonçalo.

Mestre Bocka: Mestre Bocka começou na Capoeira no início dos anos 70. Seu primeiro Mestre foi Verdugo. Mesmo sem ser Mestre na época, Bocka já tinha diversos alunos. No dia 22 de abril de 1977 fundou o Grupo de Capoeira Angonal. Na verdade, o grupo já existia, mas só que com o nome de Grupo de Capoeira do Mestre Verdugo, uma homenagem ao mestre que lhe ensinou os primeiro passos na capoeiragem. Segundo Mestre Bocka, na hora que os grupos se reuniam para jogar capoeira, o maior número de alunos presentes eram os seus. Só que na hora de apresentarem os Mestres, seu grupo ficava de fora, já que ele não era Mestre. Foi quando numa reunião, com cerca de vinte mestres, resolveram, então, dar-lhe o título de Mestre de Capoeira. Mestre Bocka conta que seus primeiros alunos graduados na época foram: Cabide, Negão, Mosquito, Heber, Manico, Moreno, Brindado, Arnaldo, Macumba, Centopeia, Morcego e Papagaio.

De acordo com Mestre Bocka, nesse tempo, no Rio de Janeiro, não existia a separação dos estilos Angola e Regional. Havia um jogo misto fazendo uma homenagem a estes dois, e, por ser o seu estilo, deu o nome de ANGONAL. Que é nada mais que a junção dos nomes Angola e Regional. Mestre Bocka diz que lutou muito para ter reconhecimento do seu grupo. Hoje o grupo possui 32 anos de fundação, com dezenas de "graduados" e mais de dois mil adeptos da Angonal no Brasil e no exterior. O fundamento do Grupo é a união de duas forças que gera uma terceira, visando aos estilos, Regional Baiana e da Capoeira Angola. Esta junção visa considerar a capoeira como uma unidade e deixar aberto o caminho da criatividade, da evolução técnica e, acima de tudo, o respeito mútuo, a fim de preservar a integridade física e moral dos praticantes.

Mestre Machado: José Machado dos Santos, nascido na cidade de Alagoinha, no Estado da Bahia, Mestre Machado chegou à cidade de São Gonçalo no fim dos anos 70 para servir no Quartel da Tropa de Reforço de Fuzileiros Navais, onde faria curso para cabo. Uma vez se estabelecendo na cidade, encontrou um grande trabalho desenvolvido pelos Mestres de Capoeira daqui. Como também era capoeirista, no dia 13 de setembro de 1978 fundou na cidade a Associação de Capoeira Modelo Cultural Kikongo, em substituição a uma antiga denominação utilizada por ele: Grupo de Capoeira Regional. Mestre Machado, percebendo que os capoeiristas da cidade estavam ávidos de conhecimento, manteve em seu trabalho uma linha mais tradicional, cultural, ideológica e filosófica, correspondendo mais com a Capoeira que havia praticado na Bahia. Foi através dos trabalhos realizados pela Associação de Capoeira Modelo Cultural Kikongo que a Capoeira da cidade começou a discutir culturalmente os caminhos que a Capoeira deveria seguir. 

Mestre Machado formou na cidade diversos Mestres de Capoeira, entre os quais Mestres Cesar e Carlinhos, da Associação de Capoeira Beira-Mar, com atuação no Bairro de Santa Luzia, em São Gonçalo e, ainda, no Estado de Minas Gerais e outros municípios do Estado do Rio de Janeiro; Mestre Formiga, da Associação de Capoeira Ilê de Angola, com atuação em Niterói; Mestre Paulão, da Associação Cultural Rio Brasil Arte Capoeira, com atuação nas cidades de Niterói, São Gonçalo, Magé e Guapimirim. Mestre Paulão formou o Mestre Barrias, pois quando o Mestre Paulão Criou a RIO BRASIL, o Contra-Mestre Barrias, se desligou da Kikongo e permaneceu na Raíz com o Mestre Pauão, que no dia 22/12/2002, através das Mãos do Mestre Dário lhe deu o título de Mestre de Capoeira; Mestre Robson, da Associação de Capoeira Filhos do Quincongo, com atuação no bairro de Rio do Ouro, São Gonçalo; e, ainda, os mestres Dario, Reinaldo, Rodolfo, Marquinhos e Jorginho. Este último dá aulas no município do Rio de Janeiro. Segundo Mestre Machado, o nome Kikongo não foi escolhido casualmente, mas a propósito de longos estudos e pesquisas sobre a civilização africana, que contribuiu para a origem de nossa miscigenada sociedade. Kikongo é um termo que caracteriza uma tribo de negros Bantos, muito desenvolvida culturalmente, que viviam em regiões de vastidão e riquezas e tinham seu idioma como língua-mãe para várias outras comunidades africanas que a usavam no intercâmbio de suas relações comerciais. Nestes 30 anos de presença na cidade de São Gonçalo, Mestre Machado aproveitou, ainda, para formar-se em duas faculdades: Letras e Direito. Após aposentar-se da Marinha do Brasil, dá suas aulas em escolas particulares da cidade e também advoga.

Se você gosta de Capoeira, não pode deixar de ver e participar das principais rodas de capoeira da cidade. Confira os locais e aproveite, afinal de contas, Capoeira é defesa, ataque, ginga de corpo e malandragem.